Home » PacaembuCNC » Empresários rejeitam reoneração da folha de pagamentos

Empresários rejeitam reoneração da folha de pagamentos

25 de maio de 2018
PacaembuCNC

Para Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a reoneração vai prejudicar a geração de novos empregos e enfraquecer o ritmo da economia

A perspectiva de reoneração da folha de pagamentos de diversos setores produtivos da economia, proposta pelo governo federal como forma de compensar o corte de impostos sobre o óleo diesel, gerou reações negativas de entidades empresariais.

Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), a saída do governo não é a mais feliz.

“Entendemos que é uma solução de emergência, resultado da falta de habilidade do governo de se preparar para a situação atual de crise, que era previsível. Mas a alternativa deveria ser a redução de impostos e o corte de gastos, e não a reoneração da folha num momento em que o mercado de trabalho apresenta tantas dificuldades”, diz Burti

Para o presidente da ACSP, “a reoneração vai prejudicar a contratação de novos empregos e enfraquecer, ainda mais, o ritmo de recuperação da atividade econômica e a confiança do consumidor.”

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) classificou a medida como equívoco. “Esta medida reduzirá a competitividade e aumentará o custo da mão de obra de setores importantes na geração de emprego”, afirma a entidade, em nota.

Ao mesmo tempo, a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) expressou “repúdio” à estratégia do governo de condicionar a aprovação da pauta à solução da greve dos caminhoneiros.

“A medida acarretará perda de competitividade do setor industrial, limitando o já claudicante processo de retomada da atividade econômica e do emprego”, afirma a Abinee.

ENTENDA A DESONERAÇÃO

Desde 2014, 56 setores da economia tinham desoneração de alguns impostos na folha. O texto aprovado na Câmara prevê que a metade desses setores perderão o benefício logo após a sanção do projeto.

A outra metade manterá a desoneração pelos próximos três anos, só perdendo o benefício a partir de janeiro de 2021.

A proposta aprovada também prevê zerar, até o final deste ano, a PIS-Cofins que incide sobre o óleo diesel.

SEGMENTOS COM A FOLHA DESONERADA

– Tecnologia da informação (TI), com alíquota de 4,5%;

– Tecnologia da comunicação (TIC), (4,5%);

– Teleatendimento (call center), (3%);

– Projeto de circuitos integrados (4,5%)

– Couro (2,5%);

– Calçados (1,5%);

– Confecção e vestuário (2,5%);

– Empresas Estratégicas de Defesa (2,5%);

– Fabricante de ônibus (1,5%);

– Fabricante de carroceria de ônibus (2,5%);

– Máquinas e equipamentos industriais (2,5%);

– Móveis (2,5%);

– Transporte rodoviário de cargas (1,5%);

– Indústria ferroviária (2,5%);

– Fabricantes de equipamentos médicos e odontológicos (2,5%);

– Fabricantes de compressores (2,5%);

– Companhias de transporte aéreo de carga e de passageiros regular (1,5%);

– Serviços auxiliares ao transporte aéreo de carga e de passageiros regular (1,5%);

– Proteína animal (1%);

– Têxtil (2,5%);

– Empresas editoriais (1,5%);

– Empresas de manutenção de aeronaves (2,5%);

– Empresas de construção e reparação naval (2,5%);

– Comércio varejista de calçados e artigos de viagem (2,5%);

– Empresas de transporte rodoviário, ferroviário e metroviário de passageiros (2%);

– Empresas de construção civil e de obras de infraestrutura (4,5%);

– Empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens (1,5%);

– Produtores de carne suína e avícola e o pescado (1%).

QUAIS SERIAM REONERADOS?

– Hoteleiro;

– Comércio varejista (exceto calçados);

– Fabricantes de automóveis, veículos comerciais leves (camionetas, utilitários), tratores e colheitadeiras agrícolas;

– Pedras e rochas comerciais;

– Brinquedos;

– Pneus;

– Vidros

– Tintas;

– Produção de medicamentos;

– Indústrias de pães e massas;

– Transporte marítimo de passageiros e de carga na navegação de cabotagem, interior e de longo curso;

– Navegação de apoio marítimo e de apoio portuário;

– Empresas que realizam operações de carga, descarga e armazenagem de contêineres em portos organizados;

– Transporte ferroviário de cargas;

– Prestação de serviços de infraestrutura aeroportuária.

Fonte: Contadores.cnt

E-mail

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^